Até quando?!!!

Nem o nosso famoso centro turístico – Gramado – ficou a salvo das enxurradas. Mas a vida precisa ir adiante

As chuvas de primavera vieram dentro do esperado: a enchente de S. Miguel é normal em setembro. Mas, desta vez, houve um exagero. Os principais rios do Estado transbordaram como nunca, mais ainda do que em 1941, e os estragos em muitos casos foram irreparáveis, pois houve muitas mortes. Queda de barrancos, destruição de pontes, inundações, um cenário indescritível de horrores, do que a força das águas pode causar.

A solidariedade de vizinhos e até dos mais distantes tem sido admirável. É um consolo ver que há muita gente para animar a reconstruir. Mas agora, vendo os moradores de suas margens tentarem um recomeço, depois de tirarem o lodo das casas e salvarem pouca coisa do que sobrou de móveis, eletrodomésticos, provisão de alimentos, eis que os vejo tristonhos, enfrentando outras inundações e prevendo novas tragédias.

Nem o nosso famoso centro turístico – Gramado – ficou a salvo das enxurradas. Parece que a terra, nos arredores do Lago Negro, está sendo tragada, asfalto abrindo crateras, e planos de melhorias na reurbanização foram abandonados para essas áreas.

Mas a vida precisa ir adiante. E muita coisa de bom ainda acontece em nosso meio. As celebrações do Dia Nacional da Consciência Negra foram brilhantes. Tiveram programas emocionantes, que nos mostraram a vida de nossos escravos, sua luta e a vitória alcançada nas Artes, na Cultura, na Educação. Mulheres e homens negros famosos na política também apareceram e deram seus depoimentos.

Temos mais um motivo para alegrar-nos na expectativa: vamos torcer para que o Instituto Federal Farroupilha – IFFar – tenha a aprovação de seu campus em nossa cidade. Será mais um avanço para a Educação de nossos jovens. E preparo para a vida e profissão.

E a Feira do Livro de Caçapava vem aí. Com ela, muitas novidades em livros, autores, cinema e teatro. Vamos animar a Praça com nossa presença e entusiasmo. Lembrando que a leitura é o alimento para o espírito que nos ajuda a descobrir o sentido da vida, a entender os outros, respeitando suas opiniões e nos conduzindo à empatia. Pois nunca é demais lembrar: desejar ao outro aquilo que nos faz bem.