CTG Clareira da Mata planeja retomar antigas atividades

Nas próximas semanas, devem ter início ações relacionadas ao Projeto Trançando Sonhos. Conclusão das obras na cancha de bocha da entidade também está entre as novidades anunciadas

CTG Clareira da Mata planeja o retorno de antigas atividades
Patroa Seluta Oliveira (dir.), com a vice-patroa Madiela Lopes (esq.) e a coordenadora Vanda Sito (centro) (Crédito: Luiz F. Oliveira)

O CTG Clareira da Mata está planejando algumas novidades para as próximas semanas, que incluem o reinício de antigas atividades atreladas ao projeto Trançando Sonhos, do Ponto de Cultura Encontro com a Tradição Gaúcha, e a retomada dos jogos de bocha. De acordo com a patroa Seluta Lopes de Oliveira, a reforma da cancha está em fase de acabamento, e o espaço deve ser inaugurado entre o fim de fevereiro e o início de março, em cerimônia especial para os sócios.

– A cancha parou de funcionar, e muitos sócios se afastaram do CTG. Quando decidi trabalhar pela entidade, tinha como objetivo a reforma, por entender sua existência como uma peça fundamental na história do Clareira. A união que a cancha era capaz de promover era algo muito valioso. Estou muito orgulhosa por ter conseguido, junto da minha excelente equipe, reformá-la – declarou.

A patroa também lembrou que, no passado, o Clareira da Mata foi sede de alguns campeonatos estaduais de bocha, o que, para ela, só foi possível graças ao reconhecimento de especialistas, que consideraram a cancha da entidade uma das mais profissionais do Rio Grande do Sul.

Outra novidade anunciada foi a gravação de um documentário, intitulado “Resgate da história de criação do CTG no cenário da cultura regional”. Segundo a coordenadora de Atividades Culturais, Vanda Sito, o projeto é financiado pela Lei Paulo Gustavo e tem o objetivo de contar a história das atividades promovidas pelo Ponto de Cultura, através dos relatos de caçapavanos que tiveram suas vidas transformadas pelas oficinas que eram ministradas de forma gratuita no Clareira da Mata. Ela também salientou o significado dessas ações no contexto de fundação da entidade:

– O Clareira nasceu devido à discriminação e, por isso, era preciso fazer alguma diferença. Nós negros não podíamos simplesmente nos isolar, tínhamos de mostrar que, juntos, podíamos muito. O documentário pretende mostrar às pessoas a relevância e o impacto dessas ações na sociedade – relata.

Conforme a vice-patroa do CTG Clareira da Mata, Madiela Santos Lopes, a entidade também pretende retomar as atividades do Ponto de Cultura.

– CTG não é só baile, é um lugar para a juventude se desenvolver. Quem tem filho na rua hoje sabe da importância que é ter um lugar assim – afirmou.

A equipe revelou, também, que o documentário deve ser lançando em 17 de março, durante o primeiro torneio de bocha que a entidade pretende realizar. A data marca os 50 anos de fundação do CTG Clareira da Mata.

As representantes da patronagem também anunciaram a realização de um projeto que visa à produção de indumentária gaúcha feminina. A iniciativa conta com recursos provenientes do Fundo de Cultura da Sicredi. De acordo com Vanda, em um primeiro momento, pretende-se empoderar um grupo de estudantes e motivá-las a aprender e a produzir saias, com o objetivo de inserir a produção no mercado e torná-la um negócio rentável. As aulas serão gratuitas e ministradas nos turnos da tarde e da noite, além de aos sábados. Mais informações devem ser divulgadas no início de março.

E, em breve, devem ser retomadas as oficinas de culinária, desenvolvidas no âmbito do Ponto de Cultura. Para viabilizar a realização das aulas, a cozinha do CTG Clareira da Mata está passando por uma reforma, e a patronagem trabalha na captação de recursos.