Dois réus são condenados por matar homem por engano

Crime ocorreu em 12 de março de 2021, em Caçapava

Gazeta-Polícia-1-1280x640

Dois homens acusados pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) foram condenados ontem, dia 18, por matar Renato Gentil Silveira Leal, 36 anos, por engano, em Caçapava. Um dos réus recebeu uma pena de 16 anos e 10 meses de prisão, e o outro, de 15 anos e quatro meses de reclusão.

Em júri realizado no município, a dupla foi condenada por homicídio qualificado por motivo torpe e mediante recurso que dificultou defesa da vítima. Também houve condenação pelos delitos de associação criminosa e corrupção de adolescente.

Os promotores Gustavo Ritter e Fernando Mello Müller, que participou por meio do Núcleo de Apoio ao Júri (NAJ), fizeram a acusação neste caso. Eles destacaram que um terceiro réu foi absolvido, mas a pedido do próprio MPRS. Além disso, todas as teses foram acolhidas pelo Conselho de Sentença.

Ao final do julgamento, familiares da vítima – a maioria vestindo camisetas brancas, com a foto de Leal – agradeceram ao Ministério Público, a Gustavo Ritter e a Fernando Muller pela atuação em plenário.

– A sessão de julgamento foi carregada de provas, mas também de emoção. Renato morreu sem saber por que estava morrendo. A família, agora, encontrou um pouco de paz na justa decisão da sociedade de Caçapava do Sul – disse o promotor Fernando Müller.

O crime

Os dois condenados estão presos. O crime, ocorrido em 12 de março de 2021, foi cometido pela dupla, que, de acordo com o MPRS, é integrante de uma facção criminosa que atua na região. O motivo teria sido uma desavença envolvendo tráfico de drogas, no entanto, os autores da execução confundiram a vítima com o verdadeiro alvo deles e acabaram matando Leal por engano. O MPRS segue atuando no caso e analisará a decisão nos próximos dias para deliberar sobre eventual recurso. Também foi fixado um valor mínimo de indenização em favor da família de Leal.

Texto: Ascom/MPRS – adaptado