Educação no lar e na escola

Encontramos muitos casos de crianças que mostram habilidades precoces para certas tarefas, testemunho de que numa vida anterior sabiam realizar tais atividades

Educar nossos pensamentos, sentimentos, emoções e o intelecto não é tarefa fácil e nem rápida. É labor de milênios, porque viemos de um passado com centenas de experiências, trabalhado por múltiplas vidas nesta existência, desde que fomos criados e fadados a termos centenas de vidas.

Como professor de sala de aula, por 34 anos, aprendi muito sobre os múltiplos fatores educacionais, iniciados no lar, e, posteriormente, colocados em prática na escola e na sociedade. A educação moral é ensinada no lar, e, em seguida, testada e analisada na escola e no ambiente social. As crianças que chegam na escola, trazem o aprendizado realizado na família, com seus vícios e costumes que, na vida de relação social e educacional, poderão entrar em choque com a colcha de retalhos do mundo, com crianças, adolescentes e adultos, em uma luta diária de aceitação ou não do grupo social que passará a viver, querendo ou não.

Cada criança que vem ao mundo não é uma folha em branco, como alguns estudiosos pregam, mas trazem conhecimentos latentes de milênios, onde a natureza boa ou má, com o passar do tempo, se expressa nas relações sociais, desde nenê de colo. Há uns dez dias atrás, assisti um vídeo que mostrava um bebê de um ano e sete meses, sentado no colo da mãe, com as mãos tocando o teclado de um piano, mostrando a mecânica dos dedos. A mãe e o pai não sabiam tocar piano.

Na net, encontramos muitos casos de crianças que mostram habilidades precoces para tarefas determinadas, testemunho de que numa vida anterior sabiam realizar tais atividades e que hoje mostram como habilidades inatas. Alguns estudiosos denominam de experiências de vidas pregressas, vidas sucessivas, reencarnações, etc…

Temos então que lidar com mentes diferentes em todos os sentidos: nos lares, nas escolas, na sociedade, onde cada indivíduo carrega uma mala milenar, mais o que o lar ensina, o que a escola instrui e a sociedade trabalha. Se a educação familiar foi deficiente ou falhou, como isso se expressará na escola e na sociedade. Devido à falhas nesta estrutura social, temos os choques comportamentais que vemos, onde muitos indivíduos não sabem conviver com as diferenças e passam da contemplação para as agressões verbais e físicas.

A família educa moral e espiritualmente, a escola instrui e as entidades religiosas procuram orientar os caminhos segundo o que as duas anteriores ensinaram. Vamos seguir nos educando, pelos Caminhos do Bem.