Literatura Fantástica: conheça os projetos de um jovem caçapavano

Danyel Teixeira Xavier já publicou o primeiro capítulo de uma obra e se prepara para lançar três de outra

Por Luiz Felipe de Oliveira

Danyel
Crédito: Luiz Felipe de Oliveira/Gazeta de Caçapava

Quem observa de longe o estagiário da Prefeitura, Danyel Teixeira Xavier, pode não perceber algo além de uma rotina comum de um jovem de 18 anos. Durante o dia, o garoto cumpre suas tarefas no arquivo da Secretaria da Fazenda, e, à noite, frequenta o curso técnico em Contabilidade, no Instituto Estadual de Educação Dinarte Ribeiro.

O que muitos talvez não saibam é que o filho da dona de casa, Carmozina da Costa Teixeira, e do funcionário da Prosolo, Jucelino da Rosa Xavier, também trabalha em dois projetos de literatura fantástica, um deles já com um capítulo publicado em uma plataforma digital. Esta estória se passa em um mundo pós-apocalíptico e se chama Presas de Aço.

– Nela, o mundo capitalista destruiu a Terra, por causa de testes com tecnologias cibernéticas que são implantadas no corpo humano. O problema surgiu quando se percebeu que, quanto mais esses sistemas eram inseridos, mais loucas e sem controle as pessoas e os animais ficavam. O mundo, então, se autodestruiu – explica Xavier.

Segundo Danyel, esta versão da sociedade do futuro é organizada em duas castas sociais, o submundo e o mundo de cima, e elas estão em guerra.

– O mundo de cima é aquele lugar utópico, com prédios grandes, metálicos, rico. No submundo, todos vivem, literalmente, no esgoto, onde as pessoas da parte de cima descartam os seus lixos sobre aquelas que vivem embaixo. Entre as coisas descartadas, estão os experimentos dos implantes que não deram certo, e que acabam por ser usados pelos moradores dessa região subordinada. Os animais também são seres que foram transformados por essa tecnologia, inicialmente por experimentos de cientistas, assumindo formas antropomórficas – revela o jovem escritor.

Sobre a segunda estória, Contos de Dragões, Danyel destaca a sua complexidade:

– Estou tentando destacar as personagens principais junto das secundárias, fazer com que tenham arcos próprios. No início, destaco os dragões, que são perseguidos por caçadores criados pela Igreja na Era Medieval. Estes homens contam com diversos seres fantásticos para sua missão, e até mesmo os dragões são domesticados por eles para lutarem contra sua própria espécie – detalha.

Uma novidade da obra, é o modo de manifestação da forma física dos dragões:

– Eles não possuem somente aquela forma tradicional, podem se transformar em versões antropomórficas, semelhantes aos humanos. Porém, dependendo do contexto, não conseguem esconder certas características, como os chifres, os olhos, as caudas – explica o autor.

Conforme Danyel, o universo de Contos de Dragões possuí uma característica incomum: vários tempos históricos se passam concomitantemente.

– Existem várias regiões baseadas em diferentes gêneros fantásticos, como punk, faroeste, regiões orientais, tudo ao mesmo tempo. Chamo isso de autofantasia. Não é só aquela coisa medieval, tem várias outras regiões, com diferentes tempos históricos e diferentes personagens: unicórnios, elfos e a Raça Nova, que é uma mistura de elfos com anões – pontua Xavier.

Quanto a suas inspirações, Danyel cita que gosta muito de mangás e animes japoneses, e de George R. R. Martin, autor das Crônicas de Gelo e Fogo, obra que deu origem à série “Game of Thrones”. Além destes, também destaca J. K. Rowling, autora do primeiro livro que ele leu (Harry Potter e a Pedra Filosofal), e J. R. R. Tolkien, autor de O Senhor dos Anéis.

A sinopse e o primeiro capítulo de Presas de Aço podem ser lidos aqui.

Contos de Dragões, Danyel planeja lançar três capítulos juntos, também em plataforma digital, em junho. Sobre a publicação de livros físicos, o jovem autor diz que ainda não tem uma data em vista, mas que está em busca de alguma forma de financiamento. Para saber novidades a respeito dos projetos, basta acompanhar o Instagram do escritor.