Vivemos numa sociedade cada vez mais carente de Testemunhas! O homem contemporâneo escuta com melhor boa vontade as testemunhas do que os mestres, ou então, se escuta os mestres, é porque eles são testemunhas. Aliás, vamos combinar, mestre tem um só, Jesus Cristo! Nós somos apenas humildes servidores do seu Reino, e chamados a sermos verdadeiras testemunhas da presença de Deus no meio da Humanidade.

A Igreja se apresentou, sobretudo no segundo milênio, sempre mais com o rosto de mestra de todos, sempre ensinando e talvez somente sempre amestrando. Como expressão desse empenho, foram elaborados muitos documentos oficiais e, no campo pastoral, apareceram muitos catecismos. Para o fiel de ontem, era muito clara a compreensão de que as coisas fundamentais eram ir à missa e conhecer a doutrina cristã. Ainda hoje, o catecismo, que substitui de certa forma a doutrina cristã, permanece uma das coisas fundamentais. Prova disso é que um dos critérios indispensáveis para receber os sacramentos, além daquele da participação na eucaristia. Muito pouco se usa o critério do testemunho para receber os sacramentos.

O Papa Paulo VI recordou-nos, porém, que o verdadeiro ensinamento vem do testemunho, porque este modo de ensinar é o que será realmente incisivo na vida de uma pessoa! O testemunho se funda, pois, não tanto no ensinamento, mas no discipulado. É o que fez muito bem nosso Mestre Jesus! Antes de ensinar os apóstolos e discípulos, os chama a segui-lo e, antes de enviá-los a anunciar o Evangelho, os conduz para fazer uma forte experiência de discipulado, caminhando com ELE pelas estradas da Palestina, encontrando o povo, escutando-o, e vendo com os próprios olhos seus gestos e escolha de vida. Com outras palavras, vivendo com Jesus o início de uma nova realidade, o Reino de Deus se torna história cotidiana. É esta experiência de vida com o Mestre que torna os discípulos capazes de viver o Evangelho com a própria vida, e de testemunhá-lo com o anúncio. Tudo isto significa amestramento evangélico, que não se reduz ao ato de ensinamento, mas que se faz enriquecer do testemunho da vida para sintonizar o anúncio com a palavra.

A nossa Igreja Católica, e também as outras, precisam urgentemente recuperar essa dimensão evangélica de discípulas de Jesus Cristo, e o fazem quando se põem a caminho com o Ressuscitado pelas estradas de hoje. Discipulado significa pôr-se a caminho, como fizeram os apóstolos com Jesus, para aprender a viver a vida, a tornar presente hoje o Deus de Amor, entender como realizar nesta realidade complexa o Reino de Deus, compreender como Deus continua a encarnar-se hoje, e saber reconhecê-lo principalmente no rosto dos últimos! Ser discípulo significa caminhar com Ele, estar com Ele e aprender do seu testemunho! Nosso testemunho tem o poder de levar as pessoas a conhecer e amar a Deus. Sejamos cada vez mais testemunhas do amor de Deus nos dias de hoje!