Após uma boa caminhada com os seus discípulos, e realizar ações em favor dos doentes, famintos e pobres, Jesus lança uma pergunta para ver até que ponto chega a compreensão daquilo que fez e ensinou, ou seja: Jesus procura averiguar até que ponto sua mensagem está sendo compreendida.

“Quem dizem os homens que eu sou?”, pergunta Jesus a respeito de sua identidade. Na voz do povo, Ele é uma personagem importante que está na linha dos profetas; João Batista, Elias… Ou um dos profetas…

E quando Jesus se volta para o grupo novamente, perguntando “quem sou eu?”, Pedro, porta-voz do grupo, responde que ele é o Messias, o Filho de Deus Vivo. Pergunta aos discípulos, preparando-os para levar adiante sua missão.

Essa pergunta de Jesus aos discípulos é muito atual. Jesus não deseja que paremos naquilo que se diz dele, mas que tenhamos um encontro pessoal com ele e o sigamos. Assim, nossa resposta sobre sua identidade não será a projeção da nossa inteligência, mas uma profissão de fé, que brota de um coração e de uma mente iluminada pelo Espírito Santo, como aconteceu a Pedro.

Portanto, primeiro: a resposta que devemos dar não é apenas nossa opinião sobre Ele, mas um desafio sobre qual a nossa atitude diante dele. Depois, não basta responder em conformidade com aquilo que aprendemos na catequese ou nas nossas leituras espirituais. Portanto, mais do que com palavras, devemos responder com o testemunho no dia a dia de nossas vidas, traduzindo em gestos, atitudes concretas assim como ele viveu e pregou.