O golpe não poupa ninguém

O que vai acontecer em O amor de Pedro por João é pra quem tem estômago. Os personagens abrem mão de muitas coisas para lutar pelo que acreditam ser um bem maior, e essa luta é descrita com bastante realismo, com cenas de combate, tortura e perseguições que fazem eriçar a pele e o coração bater acelerado

Na sexta-feira, dia 11, quando vi na capa do Correio do Povo que Tabajara Ruas foi escolhido para ser o patrono da 69ª Feira do Livro de Porto Alegre, me senti motivada a ler um livro seu. Na verdade, reler, porque de cara pensei em O amor de Pedro por João, obra pela qual tenho um forte apego, pois foi sobre ela o primeiro ensaio que escrevi.

Narrada em terceira pessoa, a trama se passa durante o período de Ditadura Militar no Brasil, e acompanha a trajetória de Marcelo, Dorival, Ana, Hermes, Mara, Josias, João Guiné e Sepé. Nem todos se conhecem de início, mas acabam se cruzando pelo caminho, por terem algo em comum: o engajamento na luta contra o Regime.

O tempo é não linear, e vários acontecimentos do passado dos personagens vão sendo contados de forma intercalada com o momento presente de cada um, mostrando como se chegou àquele ponto.

Na primeira vez em que temos contato com os personagens – o que chamo de seu momento presente –, Marcelo está em uma embaixada da Argentina, junto a muitas outras pessoas que buscam proteção. Na bagagem, nada além de horríveis lembranças.

Dorival e Ana formam um casal, assim como Hermes e Mara. Todos eles são brasileiros e vivem no Chile quando Augusto Pinochet dá o golpe militar naquele país, retirando Salvador Allende do poder.

Josias acabara de sair da prisão, onde estivera detido pelos militares por três anos e meio, e está na praia de Pedra Redonda, após um encontro que não foi lá muito bom com o filho mais novo, Luís.

João Guiné está almoçando em Puerto Montt, também no Chile, enquanto observa o trabalho de alguns pescadores em um dia chuvoso. Logo sairá em viagem.

Sepé, o filho mais velho de Josias, também se prepara para viajar. Sairá de Fortaleza, e longo será seu caminho até o ponto de encontro com João, em Santa Maria.

O que vai acontecer daí pra frente (e o que aconteceu daí pra trás, se considerarmos que muito do que é relatado faz parte do passado) é pra quem tem estômago. Os personagens abrem mão de muitas coisas para lutar pelo que acreditam ser um bem maior, e essa luta é descrita com bastante realismo, com cenas de combate, tortura e perseguições que fazem eriçar a pele e o coração bater mais acelerado.

Referência:

RUAS, Tabajara. O amor de Pedro por João. Rio de Janeiro: Record, 1998.