O que precisamos fazer em 2024

Tudo o que queremos, nós precisamos construir. Agora para 2024, eu quero propor um objetivo para todos

Sim, eu sei que mensagens de início de ano, geralmente, falam de esperança, da realização de sonhos e de outros sentimentos bonitos. Eu também acredito nessas coisas, mas não acho que elas acontecem sozinhas. Tudo o que queremos, nós precisamos construir.

Agora para 2024, eu quero propor um objetivo para todos: vamos bombar os valores de Imposto de Renda destinados aos fundos da Criança, da Pessoa Idosa e fundos especiais da saúde (Pronas e Pronon).

Por quê? Porque agora temos todos os fundos regularizados, aqui mesmo na cidade. Ou seja, esse dinheiro – que iria para o cofre do governo – pode ir para entidades com projetos sociais sólidos, que estão acontecendo aqui e atendendo a pessoas que vemos quando andamos pelas ruas.

É cidadania direta. É fazer a diferença de fato. É impacto na própria comunidade. E não custa nada.

Ano eleitoral

A Receita Federal fez, em 2023, algumas doações importantes de mercadorias apreendidas, inclusive socorrendo a região das enchentes, lá no Vale do Taquari.

Já 2024 será um ano mais limitado neste sentido, porque temos eleições e a legislação restringe muito (na prática, impede) a distribuição de coisas à população. A regra justifica-se porque há sempre a possibilidade do uso político dessas doações.

O chato é que teremos um ano “magro” de possibilidades de ajudar à comunidade. Ainda assim, temos um leque enorme de ações possíveis, e a Receia Federal seguirá focando na educação fiscal e na promoção da cidadania, que é uma coisa possível de se fazer em qualquer ano e em qualquer época.

Réveillon Solidário

No dia 21 de dezembro, a delegacia da Receita Federal em Santa Maria fez a destinação de R$ 78 mil em roupas, cobertores e itens de bazar ao Rotary Club de Caçapava do Sul. A entrega aconteceu lá no depósito da delegacia. O presidente do Rotary, Jocel Dias, capitaneou a viagem, acompanhando pelo camarada Elton Ragagnin, por mim e – mais importante – por um caminhão cedido pela Prefeitura de Caçapava. Fomos recebidos pelo delegado Alexandre Zorzo Righes.

A carga, toda transportada para Caçapava do Sul, foi armazenada em um depósito cedido pelo advogado Rogério Castro e dividida em três partes: um terço foi para Rosário do Sul e outro terço para São Gabriel. O Rotary caçapavano repartiu sua porção em kits que foram distribuídos à população, no dia 29, em um evento chamado Réveillon Solidário, que contemplou 169 famílias. As pessoas beneficiadas chegaram cedo, formaram uma fila e comprovaram ser de baixa renda (a maioria, com cadastro do Bolsa Família).

Queríamos ter contemplado mais gente (o pedido original era bem maior do que o realizado), e quem sabe até expandir a ação para Santana da Boa Vista e Lavras do Sul. Acontece que, como a Receita Federal fez uma destinação enorme no meio do ano às vítimas das enchentes, não havia tanta coisa para ser doada agora.

Dentro das possibilidades, o Réveillon Solidário foi um sucesso: mães e pais de baixa renda levaram roupas para seus filhos, casas humildes foram equipadas com aparelhos como chaleiras elétricas e coisas do tipo, cobertores para o próximo inverno, etc. Um belo fechamento para o ano de 2023.