Reunião com DNIT trata da conclusão da obra do trevo da BR-392

Iniciada em 2023, a reforma visa melhorar o acesso ao município, a segurança e o fluxo de veículos da rodovia, considerada um importante corredor logístico da região

DNIT
Crédito: Sabrina Costa

O assessor de Assuntos Estratégicos, Giordano Borba, representou a Prefeitura em reunião com o superintendente do DNIT-RS, Hiratan Pinheiro da Silva. No encontro, realizado na sexta-feira (15), foi discutida a conclusão da obra do trevo da BR-392, localizado na entrada de Caçapava. Iniciada em 2023, a reforma visa melhorar o acesso ao município, a segurança e o fluxo de veículos da rodovia, considerada um importante corredor logístico da região.

Na reunião, Borba reforçou a importância da obra para Caçapava e buscou informações, junto ao DNIT, sobre o seu cronograma de conclusão. O superintendente Hiratan, após uma avaliação técnica do trabalho realizado, orçado em R$ 4 milhões, registrou que o andamento do projeto segue em ritmo normal, respeitando cada etapa prevista. A expectativa é que em maio desse ano o trevo seja entregue à comunidade.

Mobilização da comunidade

Em abril do ano passado, uma comitiva formada pelo prefeito Giovani Amestoy (PDT), vereadores e membros da Acic, do Ibraoliva e do Sindicalc foi até Brasília para apresentar a pauta da obra do trevo da BR-392 ao ministro Paulo Pimenta, representante do Governo Federal. Desde então, o assunto vem sendo acompanhado pelo gabinete do prefeito, através da assessoria especial.

Impacto econômico da obra na economia do município

Segundo Borba, uma das empresas responsáveis pela execução da obra, a Plano Norte, aponta que a economia do município teve uma injeção de recursos significativa com o andamento da obra. Os funcionários contratados em sua maioria são caçapavanos e perfazem uma folha de pagamento de em média R$ 100 mil mensais, além de compras de insumos, alimentação e outros produtos no comércio local e o pagamento de impostos, podendo chegar a um valor de quase R$200 mil mensais, deixados na economia da cidade.

Texto: Sabrina Costa – adaptado