Saudades? Mas com descontos!

Quando senhoras de bastante idade se reúnem para o café da tarde, é comum ouvi-las falar sobre o passado, as novidades atuais e compará-las. Ah, como era bom viver naquela época em que se respeitavam os mais velhos, e os jovens seguiam seus conselhos! Mas alguém discorda

Quando senhoras de bastante idade se reúnem para o café da tarde, é comum ouvi-las falar sobre o passado, as novidades atuais e compará-las. Ah, como era bom viver naquela época em que se respeitavam os mais velhos, e os jovens seguiam seus conselhos!

Mas alguém discorda; a imposição dos pais muitas vezes frustrava os sonhos dos filhos. Contrariavam seus namoros, a escolha da carreira, mandavam os filhos homens para os ensinos superiores, e para as meninas, bastava aprender a ler, escrever cartas e fazer contas.

É verdade, diz outra; viva os bons tempos. Agora podemos ter a profissão que quisermos, não existe discriminação. As mulheres assumem qualquer ofício, mesmo os mais apropriados aos homens. São caminhoneiras, operárias da construção, pilotam aviões, barcos, dirigem ônibus. E na política, não há barreiras. Presidentes e governadoras, prefeitas e juízas, a qualquer cargo elas podem aspirar. E ocupar.

Mas ainda existe o machismo. O feminicídio tem aumentado nos últimos anos. Os homens menos capazes não se conformam com os avanços das mulheres.

Pois é, comenta outra. Antigamente a mulher sofria calada as grosserias do marido, ele era o senhor, podia tudo. Até espancá-la, e ai de quem se intrometesse para salvá-la. O lar era o seu reino.

Outras senhoras queixam-se de que os doces de agora não têm o mesmo sabor dos tempos idos. Nem as frutas o mesmo gostinho… Antes eram apanhadas no pátio, hoje vêm de longe para as prateleiras de Supermercados ou feiras agrícolas.

Mas é mais cômodo nos dias de hoje cuidar da casa, das refeições, das faxinas. Em velhos tempos, sem água encanada, nem gás, gastava-se tempo e energia para cumprir essas tarefas. Os eletrodomésticos de hoje, cada vez mais sofisticados, aliviam os encargos, cansam menos – ou nada – e são bem rápidos.

Os rumos da educação não ficam de fora, nessas conversas, pois as participantes ou são professoras aposentadas ou mães e avós que acompanham a evolução do ensino. E todas concordam: antes era mais decoreba, mas havia respeito aos professores. Entretanto, os alunos sofriam castigos por não se moldarem aos sistemas de aprendizagem e disciplina. E havia professores bem carrascos!

Nas despedidas, as participantes do café, em calorosos abraços, se congratulam pela longa vida! E por desfrutarem das novidades do mundo moderno que lhes permitem gozá-la no conforto e na companhia de preciosas amigas.