Tudo é relativo

Se o cara é colorado, acredita que seu time é melhor que o tricolor, que o Luizito jogava muito menos do que o Valência; já se o cidadão for gremista, é ele que vai puxar a sardinha para o seu assado e os valores se invertem

Pois étudo é relativo… Já travei discussões acirradas com algumas pessoas que entendem, pensam e praticam a máxima de que o certo está sempre certo e o errado não se cria. Pessoas que acham, convictamente, que nunca cometeram nenhum erro na vida e por estarem sempre com a razão, a si próprios se bastam no universo e os outros que se lixem.

Acontece que as coisas normalmente não funcionam assim. Nem sempre pau é pau e pedra é pedra. Depende ou “vareia”, como se diz no popular. Depende dos olhos que veem, da percepção de cada um e dos valores intrínsecos de cada pessoa.

Se o cara é colorado, acredita que seu time é melhor que o tricolor, que o Luizito jogava muito menos do que o Valência; já se o cidadão for gremista, é ele quem vai puxar a sardinha para o seu assado e os valores se invertem.

Se o eleitor for petista, ele morrerá defendendo o Lula e não se cansará de incriminar o Moro pela sua parcialidade e perseguição política; mas se o outro for de direita, dito bolsonarista, para ele o Lula é quem criou os esquemas de corrupção na política nacional e quer transformar o Brasil em uma nova Venezuela.

Qualquer aluno pode ser rotulado de mau aluno pelos seus professores que bem conhecem o seu desempenho em sala de aula. Mas em casa, para seus pais, ele está sendo injustiçado por algum professor que não gosta dele por motivo nenhum, perseguindo o pobre do guri.

Quem vende elogia o bem a ser comercializado e o comprador fica louco para apontar algum defeito para poder pechinchar, em função de uma possível desvalorização do produto, reduzindo o preço oferecido. Como já dizia um velho ditado popular: quem desdenha quer comprar.

Nos tempos atuais, além das redes sociais que informam, mas também confundem aos pouco instruídos ou desatualizados, existe a mídia jornalística tendenciosa que defende interesses de toda a espécie, com finalidades nem sempre muito bem percebidas.

Quando estudei noções de psicologia, nos bancos acadêmicos, aprendi que o ente humano é composto por características hereditárias e outras adquiridas em função do meio em que se criou e foi educado. Costuma-se afirmar que o homem é um produto do meio em que vive. E é justo aí que a coisa se complica por completo. Cada “tribo” tem a sua verdade e nem todos se contentam em permanecer no seu quadrado.

E por esses caminhos tortuosos marcha a humanidade cosmopolita e rebelde, na busca de alguma verdade absoluta que eu também acredito que não exista. Afinal, cada um tem a sua.